Produção da Silat já é comercializada
   Primeira etapa da duplicação da CE085 é inaugurada
   Terminal de Regaseificação opera com metade da capacidade
   White Martins celebra parceria com a CSP
   CSP fará sua 1ª exportação em março de 2016
   Energia Pecém e Eneva entregam doação de tampinhas
   Fortaleza sedia curso de Logística Portuária
   Pecém movimenta 4,9 milhões de toneladas
   Senai inaugura instituto de eletrometalmecânica
   Governo doa área para tancagem auxiliar da Refinaria

Próxima Página

Estado negocia terminal de gás natural para o Pecém 

24/08/13 - O Governo do Estado negocia com a Petrobras a instalação de uma planta de regaseificação de Gás Natural Liquefeito (GNL) em terra, no Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP). Além de servir para o abastecimento, o gás seria usado na refrigeração de câmaras, um atrativo para indústrias de processamento de pescado. A informação foi confirmada por Roberto Smith, presidente da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece). Ele diz que o Estado poderia ter participação societária no equipamento, o que dependerá de uma decisão do governador Cid Gomes.

A Petrobras tem um terminal de regaseificação, inaugurado em 2008, no mar de São Gonçalo do Amarante, que distribui o combustível por meio de gasodutos. Uma planta em terra, diz Smith, permitiria que o gás fosse distribuído em caminhões em estado líquido. “Se eu tenho o processo em terra, posso carregar caminhões com o gás líquido, que tem um volume 600 vezes menor que o gasoso. Seriam 600 caminhões a menos para fazer a distribuição”.

Smith também garante que a planta daria efetividade ao abastecimento do Ceará. “A Cegás vem resolvendo a demanda mais pontual. O navio de regaseificação deveria servir apeas para quando há demanda maior, mais específica”. Conforme Erasmo Pitombeira, presidente da Cearáportos, a planta fixa permitiria que o navio que está em São Gonçalo fosse liberado para outras regiões do País.

Pescado

Para sair do estado gasoso para o líquido, o combustível é resfriado a uma temperatura de 170 ºC negativos, energia que poderia ser aproveitada pela indústria de pescado, diz Pitombeira. “Você tem uma quantidade de energia fabulosa que é perdida”. Ele afirma que há câmaras frigoríficas no Pecém, mas a planta de GNL ampliaria a capacidade de armazenamento, além de baixar custos. “Hoje, temos câmaras comuns. Elas também servem para a abertura de contêineres frigoríficos. Tudo é feito com geradores”.

Smith esclarece que o projeto a ser apresentado para a Petrobras ainda está em elaboração, não sendo possível levantar o volume do investimento, nem confirmar a participação societária do Estado. Ele diz, entretanto, que essa é uma possibilidade. “Pessoalmente, eu acho que poderia (ser sócio). Se for uma coisa boa para o Estado. Mas isso depende de uma decisão do governador”.

A produção de gás natural cearense foi de 0,1 milhão de m³/dia em maio segundo o último boletim do Ministério de Minas e Energia (MME). No mesmo mês a distribuição da Cegás foi de 2 milhões de m³/dia, com mais de 75% desse volume servindo às termelétricas. Também em maio a produção nacional foi de 74,5 milhões de m³/dia, com consumo de 71m³/dia.

O Pecém recebeu 4,19 milhões de m³/dia de GNL importado em maio, 8% do total que o Brasil comprou do exterior.

Origem do gás

Neste ano, o Pecém recebeu 12 carregamentos com GNL. Eles vieram de Trininad e Tobago, França, Espanha, Catar e um do Brasil. O terminal de regaseificação do Pecém foi inaugurado em 2008, o primeiro em mar do País. Ele atendeu a necessidade urgente ante a interrupção de fornecimento de gás pela Bolívia.A inauguração foi feita pelo então presidente Lula, acompanhado por Dilma Rousseff, que na época era ministra chefe da inauguração, e Graça Foster, então gerente de exploração da Petrobras.

Fonte: Jornal O Povo.




   
 

Portal Pecém – Um complexo de informações e oportunidades

Complexo Industrial e Portuário do Pecém

São Gonçalo do Amarante – Caucaia – Ceará

redacao@portalpecem.com.br - comercial@portalpecem.com.br